domingo, 11 de dezembro de 2011

eu tinha um velho tormento
eu tinha um sorriso triste
eu tinha um pressentimento

tu tinhas os olhos puros
os teus olhos rasos de água
como dois mundos futuros

entre parada e parada
havia um cão de permeio
no meio ficava a estrada

depois tudo se abarcou
fomos iguais um momento
esse momento passou

ainda existe a extensa praia
e a grande casa amarela
aonde a rua desmaia

estão ainda a noite e o ar
da mesma maneira aquela
com que te viam passar

e os carreiros sem fundo
azul e branca janela
onde pusemos o mundo

o cão atesta esta história
sentado no meio da estrada
mas de nós não há memória

dos lados não ficou nada

história de cão
Mário Cesariny

Fotografia: William Eggleston

2 Kommentarer:

June Miller

tive aula de literatura portuguesa contemporânea esse semestre na faculdade. mario cesariny foi uma das agradaveis surpresas que recebi durante o curso. depois, me internei na biblioteca, mais exatamente na secao 689.37 e saih com mil livros desconhecidos, mas que andam recheando minhas ferias. principalmente para acabar com a culpa que tenho por nao fazer nada. sentir-se culpada por estar de ferias? pff. realmente, acho que preciso de tratamento psiquiatrico.

mudando de assunto: vc prefere um blog que fale de coisas que ja foram feitas, tipo, filme, series, casos reais, etc, ou quer fazer um blog ficticio? estou topando qualquer coisa. qualquer coisa que me faca sentir util. como disse, pra fugir da culpa.

:)

Rrose

é bom ler-te :)
estava a pensar não numa coisa muito especifica, misturando a realidade com a ficção, mantendo presente a ironia. E sim, pode servir de tratamento psiquiátrico ou na pior das hipóteses, explorar esse lado mais insano da tua vida.
Btw, Cesariny é uma delicia.

Postar um comentário